Após bloqueio de Moro, herdeira de banco suíço doa R$ 500 mil a Lula

Depois de ser condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro, no caso do triplex do Guarujá (SP), e se tornar o primeiro ex-presidente brasileiro sentenciado na história, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sofreu outra sanção. O magistrado bloqueou mais de R$ 9 milhões em planos de previdência e contas bancárias do petista.

Mas, no que depender de uma herdeira da família fundadora do banco Credit Suisse, Lula não ficará desamparado financeiramente. Isso porque Roberta Luchsinger, 32 anos, abriu o guarda-roupas e o cofre e lançou um movimento de apoio ao ex-presidente. Doou R$ 500 mil ao petista, em dinheiro, joias e objetos de valor.

“Com o bloqueio dos bens de Lula, Moro tenta inviabilizá-lo tanto na política quanto pessoalmente. Vou fazer uma doação para que o presidente possa usar conforme as necessidades dele”, justificou Roberta ao jornal Folha de S.Paulo.

A grana doada é parte da mesada de 28 mil francos suíços (R$ 92 mil) que ela recebia do avô, morto no último 8 de julho. “Foi o último cheque que recebi dele (avô) e vou repassar integralmente ao Lula. Agora, já podem dizer que ele tinha conta na Suíça, aquela que os procuradores da Lava Jato tanto procuraram e não acharam”, ironizou a doadora.

Além do cheque, a herdeira bilionária vai entregar ao ex-presidente uma mala recheada de objetos de valor, os quais ele poderá penhorar: um relógio Rolex estimado em R$ 100 mil e um anel de diamante avaliado em cerca de R$ 145 mil. O petista receberá ainda uma bolsa Chanel (avaliada em R$ 32 mil), um par de sandálias Christian Louboutin (R$ 3 mil) e um vestido Dolce & Gabbana (R$ 30 mil). Da lista, também constam uma bandeja de prata da família Luchsinger.

Roberta afirma que a doação, além de ajudar Lula, tem objetivo de protestar contra o confisco dos itens recebidos por ele como presentes, à época em que ocupou o Palácio do Planalto. Esses objetos foram classificados pelos investigadores como “tralhas”.

“Esse ódio exacerbado contra os partidos de esquerda, principalmente contra o PT, chegou ao ponto de cegar parte da sociedade. Virou moda se referir a Lula como ladrão”, criticou Roberta Luchsinger. “Esses que hoje o demonizam se esquecem de que Lula foi bom para os pobres e também para os ricos e deixou a Presidência com 90% de aprovação”, defendeu a bilionária, que pretende lançar candidatura a deputada estadual pelo PCdoB, nas eleições 2018.