Neymar é aclamado pela torcida do PSG em apresentação

Às 16h deste sábado em Paris, 11h em Brasília, o DJ Martin Solveig, um dos astros da música eletrônica na Europa, abaixou o volume de sua música e puxou o coro no estádio Parc des Princes: “Ney-mar! Neymar!”. Entusiasmada, a torcida do Paris Saint-Germain respondeu com os gritos de guerra do clube francês Mesmo impossibilitado de estrear em razão da Federação Espanhola de Futebol, que não enviou a documentação da transferência à Liga de Futebol Profissional da França (LFP), Neymar foi o alvo de todas as atenções em Paris momentos antes do confronto de sua nova equipe com o Amiens.

A apresentação do brasileiro foi simples, rápida, mas calorosa, com direito a fogos de artifício em pleno campo e com uma multidão ecoando seu nome. O narrador oficial da cerimônia não economizou no entusiasmo: “Chegou o momento tão esperado, essa data de 5 de agosto de 2017, um evento mundial”.

O presidente do PSG, Nasser Al Khelaifi, então, tomou a palavra e pediu mobilização de parte da torcida. “Nossos torcedores sempre sonharam com uma grande estrela. Neymar está aqui conosco hoje. Agora é preciso trabalhar para ganhar muitos troféus”, disse o dirigente, que assumiu o clube sob forte rejeição em 2011, nomeado pelo fundo soberano do Catar, o Qatar Investment Authority (QIA), proprietário do PSG.

Então, Neymar foi chamado ao pequeno palco instalado no gramado: “Nosso novo número 10 vermelho e azul, Da Silva Santos Júnior”, gritou o narrador, dando a deixa à multidão. A torcida completou em delírio: “Neymar!”.

Tímido, o brasileiro tomou o microfone e falou, em português, sobre a emoção de estar em Paris após quatro anos defendendo as cores do Barcelona. “Estou muito feliz. É outro grande sonho que estou vivendo. Vim aqui para fazer história”, garantiu.

A seguir, arriscou algumas palavras em francês, lançando ao público dois slogans do clube: “Paris est magique. Ici c’est…”, disse o craque, também dando a deixa à torcida, que completou, entusiasmada: “Paris!”.

Neymar a seguir deu a volta no campo, próximo da arquibancada, chutando bolas ao público, acenando e mandando beijos para os torcedores, enquanto o narrador enaltecia a contratação que custou 222 milhões de euros ao PSG: “O capitão da seleção brasileira está aqui!”, disse o mestre de cerimônia. A reação não poderia ser outra: gritos de “Neymar!, Neymar!, Neymar!”.

O novo ídolo do clube, então, correu de volta a às torcidas organizadas do time, tirou a camisa e arremessou aos torcedores. “Obrigado, Neymar!”, disse em português o narrador, mais uma vez incitando a torcida a prosseguir na aclamação ao craque.

Apesar de toda a festa, o brasileiro não pode estrear na primeira rodada do Campeonato Francês. Isso porque a Federação Espanhola não enviou à LFP até a meia noite de sexta-feira, como exige o regulamento, o Certificado de Transferência Internacional, documento que autoriza a inscrição de um jogador no campeonato.

PSG estreia com vitória sobre o Amiens no Francês

O Paris Saint-Germain fez o suficiente para estrear com vitória no Campeonato Francês neste sábado. Diante do frágil Amiens, caçula da competição, a equipe marcou na reta final do primeiro e do segundo tempo para vencer por 2 a 0 no Parque dos Príncipes. O resultado acabou ofuscado pela presença de Neymar, que foi apresentado à torcida antes do apito inicial.

Ovacionado pela torcida, Neymar teve o nome gritado antes da partida e chegou a dar uma volta olímpica no estádio, na qual retribuiu o carinho ao lançar sua camisa para as arquibancadas. Depois, foi para uma tribuna no estádio, de onde acompanhou o confronto e aplaudiu seus companheiros a cada boa jogada.

Havia a expectativa de que Neymar estreasse já neste sábado, mas a ausência de um documento impediu que o PSG o colocasse em campo. Por isso, sua primeira partida com a camisa do novo clube deverá acontecer na segunda rodada do Campeonato Francês, contra o Guingamp, dia 13, fora de casa.

A festa da torcida deixou de ser para Neymar e passou a ser destinada ao PSG com o apito inicial. Mas o próprio time parecia desconcentrado, talvez pela comoção em torno do novo reforço, que custou 222 milhões de euros aos cofres do clube. A sorte do time francês é que o Amiens sequer ameaçava, o que permitiu aos donos da casa levar o duelo em ritmo bem lento.

Ainda sem Neymar, o técnico Unai Emery optou por um ataque formado por Di María, Cavani e Pastore. Com os dois argentinos apagados, o uruguaio era quem mais se movimentava, em busca do primeiro gol. E foi de seus pés que saíram as duas primeiras chances do PSG, em finalizações para fora.

Aos 17, Daniel Alves aproveitou escanteio para bater firme, a bola tocou na zaga e sobrou para Rabiot, que perdeu chance incrível. Mesmo sem forçar muito, os donos da casa abririam o placar aos 41 minutos. Daniel Alves apareceu bem outra vez no ataque e deu ótimo lançamento para Cavani, que dominou com certa dificuldade, mas tirou do zagueiro e bateu cruzado.

O Amiens não mudou seu sistema e manteve a retranca para o segundo tempo, mas o PSG saiu um pouco mais para o jogo e acumulou chances perdidas. Aos oito, o goleiro Gurtner fez grande defesa em chute de Di María. Cinco minutos depois, o argentino tentou por cobertura da entrada da área e jogou para fora.

Quando o time visitante começava a ameaçar nos contra-ataques, o PSG selou o placar. Verratti arrancou com liberdade e deu ótimo passe para Cavani. De frente para o goleiro, o uruguaio teve calma para rolar no meio para Pastore, que só teve o trabalho de empurrar para a rede.