Vídeo mostra momento do pouso forçado de monomotor na selva amazônica, em Roraima

m vídeo que mostra o momento do pouso forçado do monomotor em terra indígena Yanomami está circulando nas redes sociais. Nele é possível ver o piloto Elcides Rodrigues Pereira, de 64 anos, o “Peninha”, e o técnico de enfermagem Ednilson Cardoso, de 28 anos, autor do vídeo. Os dois estavam em missão pela Secretaria Estadual de Saúde Indígena (Sesai).

Após uma pane elétrica na aeronave e em meio a uma mata densa na selva amazônica, Elcides opta por pousar no rio Catrimani, mas no momento do impacto o vídeo é interrompido.

No vídeo é possível verificar o momento onde o piloto comunica a central da Paramazônia Táxi Aéreo, empresa responsável pelo monomotor, que faria o pouso no rio Catrimani.

 

 

“Estou em cima do rio Catrimani, vou jogar nele”, disse Elcides Rodrigues momentos antes do impacto.

Na sexta-feira (16), em entrevista ao G1, o técnico de enfermagem disse que os dois sobreviveram ao pouso.

“Foi um pouso forçado, mas também foi uma queda, porque caímos dentro do rio e o avião afundou na água”, destacou.

O piloto Elcides Rodrigues Pereira e o técnico de enfermagem Ednilson Cardoso iriam para a comunidade indígena Marari regatar uma criança doente (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Roraima e Emily Costa/G1 RR)

O piloto Elcides Rodrigues Pereira e o técnico de enfermagem Ednilson Cardoso iriam para a comunidade indígena Marari regatar uma criança doente (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Roraima e Emily Costa/G1 RR)

Resgate e desaparecimento

Cerca de 1h após o acidente, a Paramazônia mandou resgate próprio ao local e conseguiu retirar o técnico de enfermagem, mas o piloto não conseguiu subir no helicóptero da empresa, caiu no rio Catrimani e desapareceu.

“Tentamos muito puxá-lo para dentro do helicóptero, mas ele estava muito molhado e cansado e por isso acabou caindo dentro do rio. Eu desci e fui atrás dele, mas não o achamos mais”, contou Ednilson Cardoso.

Após três dias de buscas o Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de Elcides Rodrigues a seis quilômetros do local onde o avião fez o pouso forçado.

Corpo do piloto Alcides Rodrigues Pereira chegou de avião em Boa Vista na tarde de sábado (17) e levado para o IML (Foto: Divulgação/Secom)

Corpo do piloto Alcides Rodrigues Pereira chegou de avião em Boa Vista na tarde de sábado (17) e levado para o IML (Foto: Divulgação/Secom)

A pedido do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que investiga as causas do acidente, o vídeo registrado pelo técnico de enfermagem só deveria ter sido disponibilizado aos familiares da vítima e ao próprio Cenipa, mas acabou vazando para as redes sociais.

A aeronave saiu de Boa Vista com destino à comunidade indígena Marari, onde uma criança doente seria resgatada. O voo decolou às 13h e uma hora depois o avião apresentou a pane elétrica, segundo o sobrevivente, Ednilson Cardoso.

Apesar do acidente ter ocorrido na tarde de quarta (14), o Corpo de Bombeiros diz que só foi acionado à noite e enviou equipes de resgate para a região na manhã de quinta-feira (15).

Arthur Neto, dono da Paramazônia, informou ao G1 que presta solidariedade aos familiares do piloto. A reportagem entrou em contato com o Ministério da Saúde, responsável pela Sesai, e aguarda retorno.